segunda-feira, 25 de abril de 2016

Governos Militares no Brasil (1)


             Durante a época da “Guerra Fria”, principalmente nas décadas de 1960 e 1970, vários países da América Latina viveram governos autoritários. Na maioria desses casos eram liderados por militares anticomunistas, apoiados por parte políticos e do empresariado. Tudo foi acompanhado e incentivado pelos Estados Unidos que tentavam impedir que acontecesse uma nova revolução socialista nessa região. – A Revolução Cubana chegou ao poder em 1959.
             O Brasil esteve nesse caso, embora com particularidades.
             Existiram acordos de ajuda entre os governos autoritários de alguns desses países (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai). Podemos citar como exemplo a “Operação Condor”, criada para perseguir opositores. – Aqueles que saíssem de seu país e se escondessem em território de um dos países vizinhos, eram perseguidos e presos pelas autoridades locais.     

            I – Características do autoritarismo brasileiro.

             Essas características davam a impressão de que havia liberdade política:
 - Alternância de pessoas no cargo de presidente da república (embora todos fossem generais do exército escolhidos pelo próprio grupo que controlava o governo ou por eleições indiretas. – que também era controlada por eles).  
- Existência de eleições legislativas e de partidos políticos (sob rigoroso controle governamental).
- Bipartidarismo: ARENA (apoio ao governo) e MDB (oposição consentida).
- O Congresso Nacional esteve em funcionamento durante a maior parte do tempo, embora tenham a série da de “Atos Institucionais” (para regulamentar medidas autoritárias que não respeitavam a constituição e não eram aprovadas pelo Congresso).
    Todos eram generais do Exército.

             II – Economia.
- Manutenção do pensamento desenvolvimentista.
- Forte intervenção do estado na economia (obras públicas e criação de empresas estatais).
- Atração para instalação de empresas estrangeiras (multinacionais).
- Obras “faraônicas” (tudo deveria ser gigantesco, mesmo que não fosse tecnicamente recomendável). – megalomania.
- Época do “Milagre Econômico Brasileiro”. – altos índices de expansão da produção econômica.
- Altos índices de endividamento do Estado (sobretudo com empréstimos internacionais).
Construção da Ponte Rio-Niterói (na época era a 2ª mais longa e tinha o mais extenso vão livre)

Nenhum comentário:

Postar um comentário