quinta-feira, 30 de junho de 2016

Brasil - crise na primeira república


 1) Decadência da economia cafeeira
Construção da estátua do Cristo Redentor, no morro do Corcovado, no Rio de Janeiro
- Superprodução de café – a produção brasileira superava o consumo mundial de café. Esse fato foi agravado pelo surgimento de outros países produtores de café (concorrência).
Porto de Santos - estivadores embarcando café para exportação.
- Convênio de Taubaté – pressionado pelos produtores de café (oligarquia cafeeira), foi assinado um acordo em que os governos estaduais comprariam toda a produção e o governo federal contrairia um empréstimo internacional para financiar a operação.  Essa foi a política de valorização do café.
- O café continuou a ser muito lucrativo para os fazendeiros, mas passou a dar um grande prejuízo para a nação. O excesso de café não tinha compradores, pressionando a que os preços caíssem.
Nas primeiras décadas do século XX os ricos cafeicultores moravam na Av. Paulista
2) Novas forças políticas
Rio de Janeiro - bairros do Flamengo e do Catete (1924)
- Urbanização – crescimento acelerado da população urbana. Essa não estava diretamente sob o controle dos coronéis.

- Crescimento industrial – os fatores que possibilitaram foram: ampliação do mercado consumidor, capitais originários da cafeicultura, oferta de mão de obra (imigrantes europeus). Todo o processo foi acelerado por ocasião da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), quando os países industrializados pararam de fornecer manufaturados.
Muitos imigrantes eram empregados na indústrias que surgiam no Brasil
- Operários – organizaram-se em sindicatos, criaram jornais e seguiram, inicialmente a ideologia anarquista (anarcossindicalismo). Em 1917 ocorreu a primeira greve geral de trabalhadores do país.
Em 1917 aconteceu a primeira greve geral de trabalhadores no Brasil
- Classe média urbana – profissionais liberais (médicos, advogados, professores), funcionários públicos, militares e prestadores de serviço em número crescente devido a urbanização.
Passeio de uma família de classe média (1924)

Obs. – as novas forças políticas não aceitavam o controle das oligarquias e o sistema eleitoral.
Fábrica de chapéus em São Paulo (1924)


3) Movimentos políticos


- mostraram as contradições da sociedade e do sistema político brasileiro.

Rua da Assembleia - Rio de Janeiro (1924)
(a) Modernismo
Cartaz anunciando a Semana de Arte Moderna
 
- o modernismo ganhou destaque a partir da Semana de Arte Moderna de São Paulo (1924). Apresentou novos padrões estéticos para as artes plásticas, música, arquitetura e literatura. Os intelectuais do “Movimento Modernista” questionavam a realidade social e política do Brasil.







Abaporu - Tharsila do Amaral

(b) Partido Comunista (1924)
- copiava o partido criado na União Soviética, resultante da revolução socialista (Revolução Russa).


Fundadores do Partido Comunista no Brasil
- o crescimento do partido foi rápido, especialmente no movimento sindical.

(c) Tenentismo

Revolta dos 18 do Forte Copacabana (Rio de Janeiro)
- movimento político-militar liderado por jovens oficiais do exército.

- queriam uma revolução iniciada nos quartéis.

- moralização da política e da administração pública (propostas vagas).

- não havia definição ideológica.

Revolta Tenentista em São Paulo
- Principais eventos do movimento tenentista: em 1922 ocorreu a Revolta dos 18 do Forte Copacabana, em 1924 a Revolta Paulista e entre 1924 e 1927 desenvolveu-se a marcha da Coluna Prestes.

Obs. – A estrutura política e a liderança cafeicultora foram desafiadas pelo conjunto das novas forças políticas. Esse fato estimulou a que algumas oligarquias regionais se tornassem dissidentes.
 Semana de Arte Moderna de 1922 - destaque para a participação feminina (Pagú, Elsie, Tarsila, Anita, Eugênia)
Tropical - Tarsila do Amaral




Exercícios de aula 7 – Brasil: crise da Primeira República
                                       (consultar livro: pág 110, 112, 114 e 116).
1) Com o que o Movimento Modernista rompia?
R:
2) Qual foi a reação do público no festival conhecido como “Semana de Arte Moderna”, que ocorreu em São Paulo (1924)?
R:
3) Apresente a diferença entre imigrantes e brasileiros em relação aos cuidados com a educação.
R:
4) Aponte conquistas e limitações das mulheres brasileiras na década de 1920.
R:
5) Explique o que foi a “Reação Republicana”.
R:
6) Quais eram as características e propostas políticas que os “Tenentes” compartilhavam?
R:
7) Apresente a reação do governo Arthur Bernardes, após o fracasso do levante tenentista de 1922 (Forte Copacabana).
R
8) Qual foi o destino das tropas comandadas por Isidoro Dias Lopes, após os conflitos do levante tenentistas ocorridos em São Paulo?
R:
9) Quais foram as tropas reunidas (junção de forças) que formaram a coluna Prestes?
R:
10) Explique a diferença entre os sentimentos das pessoas simples (do interior) e os das classes médias urbanas, em relação s coluna militar liderada por Luiz Carlos Prestes.
R:
Respostas
1) Ele rompia com os padrões estéticos e buscava combinar as tendências artísticas mundiais com as raízes culturais brasileiras.
2) Causaram reações extremas no público: vaias, aplausos, gritaria, insultos e elogios. A maioria da plateia detestou o que viu e ouviu.
3) A prova de que a escola não tinha importância para a maioria dos brasileiros está no fato de serem pouquíssimas as escolas públicas e gratuitas, além de ser grande o número de analfabetos. Para os imigrantes, dominar a língua falada e escrita significava não ser enganado nos contratos de trabalho, nas compras de imóveis e nas transações comerciais.
4) As mulheres conquistaram maiores oportunidades de trabalho e de estudo na década de 1920. Mas não tinham direito a voto e só trabalhavam fora de casa com a autorização do pai ou do marido.
5) O candidato à Presidência indicado pelo governo (Política Café com Leite) foi Arthur Bernardes (eleições de 1922). A oposição uniu-se em um bloco político chamado de “Reação Republicana” e lançou Nilo Peçanha para concorrer nessas eleições.
6) Os tenentes tinham um forte espírito de patriotismo e de corporativismo; queriam o fim do controle político exercido pelas oligarquias; defendiam o voto secreto e o ensino público e gratuito; pregavam a moralização da política brasileira. Ao exército caberia a conquista desses objetivos.
7) Ele decretou Estado-de sítio e a censura à imprensa. Vários militares foram presos.
8) Abandonaram São Paulo em direção a Foz do Iguaçu (Paraná), disposta a continuar lutando.
9) A Coluna reuniu tenentes gaúchos e paulistas.
10) As pessoas simples, sobretudo do interior, tinham sentimentos que variavam entre medo e admiração aos Tenentes, pois não entendiam os objetivos deles. As classes médias urbanas viam em Luis Carlos Prestes um herói (o “Cavaleiro da Esperança”).






Nenhum comentário:

Postar um comentário